quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Poesia 3


Uma foto, uma música, um poema. Beth Gibbons nos conduz aonde, definitivamente, só vamos por absoluta incapacidade de resistir. Nesse ermo do sentimento tudo explode, como uma supernova. Se permita ouvir devagarinho, no escuro.
Gibbons é antes de tudo uma experiência solitária, incomunicável, intrasferível, universal e única. Quem já esteve lá sabe do que falo. A propósito, há quem diga que na verdade se trate de uma implosão, e o resultado seria um buraco negro.



O Dito e o Não Dito

Coisas não ditas que esperei ardorosamente não ouvir
Meias palavras em silêncio de uma conversa a um
Discursos subliminares proferidos pra dentro
Saliva seca na garganta
Havia muito ainda a ser dito
Nos dois segundos seguintes
Em que você não estava mais lá
  
Van

Nenhum comentário:

Postar um comentário