domingo, 28 de novembro de 2010

THE ROBOTS - 1

Os robôs sempre foram objeto e alimento de um fascínio seminal na ficção científica. É quase impossível pensar um sem o outro. Embora lugar comum, a metáfora da busca humana pela solução do mistério da existência,  representada por Roy Batty, o  robô angustiado que busca saber o que é e quanto tempo lhe resta em Blade Runner, sintetiza a viagem mais longinqua não pra fora, para as estrelas, porém pro mais profundo vazio dos vazios humanos. Os robôs representam na FC tanto a esperança quanto nossos maiores temores. E se, no fim só restar o vazio e o silêncio de uma entropia universal, tanto para humanos como para máquinas? Quem mais terá visto os espetáculos dantescos, maravilhosos ou banais que apenas uma singular pupila mecânica ou humana testemunhou, quem poderá dividir tudo isso ao final? Ninguém, tudo se perde...


Segue uma coleção de meus andróides preferidos das telas de Ficção Científica.  Nem tão bons, nem tão maus. Cada um com suas razões. Ou, nem tanto. "Igual a tudo na vida" diria, Wood Allen.


Antes de mais nada é preciso um esclarecimento, é (quase) tudo culpa desse senhor ai embaixo:




                                                                Isaac Asimov




METROPOLIS (1927)- Maschinenmensch:


De Fritz Lang é uma das primeiras grandes distopias do cinema de sci-fi. A personagem principal, Maria, a humana e representante do operariado da cidadela futurista é substituída por uma andróide, a "mulher-máquina" que seduz e convence os trabalhadores a desistirem da rebelião contra a aristocracia empresarial que domina a cidade. Final desolador e conformista para um filme revolucionário. Mas esperar o que, era república de Weimar e o nazismo estava logo na esquina...






O DIA EM QUE A TERRA PAROU (1951) - GORT:


Em tempos de guerra fria nada mais adequado do que um robô que venha à Terra disposto a trazer a paz, mesmo que precise destruir tudo pra consegui-la hehehe. Na versão do mesmo filme de 2008 o motivo é limpar a Terra de seu principal inimigo - o ser humano. Ambientalismo radical é isso, o resto é robô de origami. Bem talvez seja mesmo a hora da humanidade repensar a relação entre cultura e natureza, só não vejo como a versão atualizada do robô eco-chato de Keanu Reevers possa ajudar em algo.

PERDIDOS NO ESPAÇO (série de TV, 1965-1968) - "B9 Robot":


"Perigo! Perigo! Isso não tem registro!" aos gritos o robô da série alertava seus senhores humanos das armadilhas inusitadas que vilões espaciais preparavam para os desafortunados viajantes espaciais. Certamente um robô do Bem, Serra adoraria ter tido um.



STAR WARS - C3PO e R2D2:


O robô dourado, dizem, foi copiado da Maschinenmensch de Fritz Lang (ver acima). Me parece uma chupada evidente de George Lucas. Mas não a única, com R2D2 ele se inspirou numa... lata de lixo (ver abaixo).



ALIEN - Ash

Ainda tremo ao lembrar da cena em que o andróide Ash, da tripulação do cargueiro minerador Nostromo, se desfaz em uma meleca esbranquiçada. Ao mesmo tempo que avisa que todos na naves estão lascados frente ao invasor da nave que teima em matar um a um...



CONTINUA...


Um comentário: