segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Ednardo - Terral


Saudade estranha de Fortaleza nesse final de noite, amigos, lugares, histórias, risos e tristezas.
Exílios e partidas são sempre motivos de desacertos, o eixo nunca mais volta ao lugar e quiçá ainda exista por ai. Pensar na terra natal é desconstruir a terra natal. Melhor do que pensar é ter saudade, que é uma forma de fazer poesia com o que já não está a mão. "Eu sou do luxo da aldeia/ eu sou do Ceará"...

"Eu venho das dunas brancas
Aonde eu queria ficar
deitando os olhos cansados
Por onde a vida alcançar
Meu céu é pleno de paz
Sem chaminés ou fumaça
No peito enganos mil
Na terra é pleno abril"
                                      Terral - Ednardo


Nenhum comentário:

Postar um comentário