sábado, 19 de fevereiro de 2011

Um Milhão de Amigos?!...



Texto interessante de Márcia Tibury. Não tenho paciência pra ouvi-la muito tempo, mas não nego que alguma beleza recôndita, talvez algo naquela brancura alpina, quase vampiresca combinado com uma leve fleuma acadêmica,  me atrai (antes que alguém se adiante: não, eu não fui ver Crepúsculo rs). 
Enfim, deixando de lado as variações poéticas entre belezas esquisitas, maneirismos e fetiches acadêmicos, acho que ela acertou em alguns pontos da idéia de esvaziamento e uma certa neurose contida na busca desesperada por "amigos" nas redes sociais virtuais atuais. 
A busca por amigos e aceitação em seu próprio meio sempre foi uma marca das sociedades humanas. A nova dimensão dessa busca antiga que não é outra se não pela própria matriz de criação e manutenção de vínculos sociais, fazer sociedade, é que agora ela se dá a partir de uma rede vazia, nos quais os fios da trama parecem se confundir com os buracos. 
Talvez, os buracos dessa rede já sejam tão largos, que nada fica. 
Ainda não tenho uma resposta pessoal do que significa atualmente ter 400, 500, 1000, um milhão de amigos, como diz a metáfora tomada emprestada de Roberto Carlos pela autora. A leitura do mito de criação do Facebook apresentado pelo filme "A Rede Social" me chamou a atenção pra parte do que pode ser a resposta sobre o fetiche e sedução das redes sociais contemporâneas. Seu criador era um solitário incapaz de estabelecer vínculos reais com pessoas reais e presentes!
Se colocasse como meus amigos todas as pessoas que conheci na vida e que não se tornaram meus inimigos por algum tipo de desentendimento real mais grave, logo, tenho a conta fantasmagórica de trocentos e não sei mais quantos amigos... que tipo de sociedade perfeita é essa? Acho que a próxima onda de Facebookcídios (assim como se foram os antigos chats, Ircs, e mais recentemente, o Orkut)  venha a nos oferecer mais reflexões a respeito do caráter efêmero e ilusório de uma brincadeira que foi crescendo, crescendo e virou mais do que uma moda. Além, uma mania e uma cultura. Ou você está dentro, ou fora e assim você não existe. Já que não visualizável na e pela rede.
Então, que é que você está fazendo ai parado, se plante em frente ao seu computador e vá fazer amigos meu camarada!


Segue o texto, fonte, aqui Complexo de Roberto Carlos



Marcia Tiburi
“Eu quero ter um milhão de amigos” é o famoso verso da linda canção “Eu Quero Apenas”, de Roberto Carlos. Adaptado aos nossos tempos, o verso representa o anseio que está na base do atual sucesso das redes sociais. Desde que Orkut, Facebook, MySpace, Twitter, LinkedIn e outros estão entre nós, precisamos mais do que nunca ficar atentos ao sentido das nossas relações. Sentido que é alterado pelos meios a partir dos quais são promovidas essas mesmas relações.
O fato é que as redes brincam com a promessa que estava contida na música do Rei apenas como metáfora. O que a canção põe em cena é da ordem do desejo cuja característica é ser oceânico e inespecífico. Desejar é desejar tudo, é mais que querer, é o querer do querer. Mas quem participa de uma rede social ultrapassa o limite do desejo e entra na esfera da potencialidade de uma realização que vem tornar problemática a relação entre real e imaginário. Se a música enuncia que “eu quero ter um milhão de amigos”, ela antecipa na ala do desejo o que nas redes sociais é seu cumprimento fetichista. E o que é o fetichismo senão a realização falsa de uma fantasia por meio de sua encenação sem que se esteja a fazer ficção? Torna-se urgente compreender as redes sociais quando uma nova subjetividade define um novo modo de vida caracterizado pelo que chamaremos aqui de complexo de Roberto Carlos.
Tal complexo se caracteriza pelo desejo de ter um milhão de amigos no qual não está contido o desejo de ter um amigo verdadeiro, muito menos único. A impossibilidade de realização desse desejo é até mesmo física. Não seria sustentável para o frágil corpo humano enfrentar “um milhão” de contatos reais. Na base do complexo de Roberto Carlos está a necessidade de sobrevivência que fez com que pessoas tenham se reunido em classes sociais, famílias, igrejas, partidos, grêmios, clubes e sua forma não regulamentada que são as “panelas”. Um milhão de amigos, portanto, ou é metáfora de canção ou é fantasmagoria que só cabe no infinito espaço virtual que cremos operar com a ponta de nossos dedos como um Deus que cria o mundo do fundo obscuro de sua solidão. Complexo de Roberto Carlos, de Rei, ou de Deus…
Questão fantasmagórica
A questão é da ordem do imaginário e de sua eficiente colonização. Não haveria o que criticar nesse desejo de conexão se ele não servisse de trunfo exploratório sobre as massas. Refiro-me às empresas de comunicação digital que usam o desejo humano de conexão e comunicação como isca para conquistar adeptos. Amizade é o nome dessa isca. Mas o que realmente está sendo vendido nessas redes se a amizade for mais que isso? Certamente não é a promessa de amizade, mas a amizade como gozo: a ilusão de um desejo realizado. E quando um desejo se realiza? Apenas quando ele dá lugar à aniquilação daquilo que o impulsionava.
Logo, o paradoxo a ser enfrentado nas redes sociais é que a maior quantidade de amigos é equivalente a amizade nenhuma. A amizade é como o amor, que só se sustenta na promessa de que será possível amar. Por isso, quando se sonha com o amor, ele sempre é desejo de futuro, no extremo, de uma eternidade do amor. O mesmo se dá com a amizade. Um amigo só é amigo se for para sempre. Mas quem é capaz de sustentar uma amizade hoje quando se pode ser amigo de todos e qualquer um?
De todas as redes sociais, duas delas, Orkut e Facebook, usam a curiosa terminologia “amigo” para nomear seus participantes. Certamente o uso da palavra não garante a realidade do fato, antes banaliza o significado do que poderia ser amizade, como mostra o recente filme A Rede Social (The Social Network, 2010), dirigido por David Fincher. O filme não é apenas um retrato de Mark Zuckerberg, o jovem e bilionário criador do Facebook, mas uma peça que pode nos fazer pensar sobre o sentido que nosso tempo digital dá à amizade.
Mark Zuckerberg, como personagem do filme, é o sujeito excluído de um clube. Dominado pelo básico desejo humano de “fazer parte”, ele decide criar seu próprio clube. No filme, ele consegue ter milhares de “conectados” – na realidade o Facebook hoje conecta 500 milhões de pessoas ou “amigos” – e perder seu único amigo verdadeiro, Eduardo Saresin. A amizade é a básica e absoluta forma da relação ética, aprendida como função fraterna no laboratório familiar e na escola; ela é uma qualidade de relação. Tratá-la como quantidade é a autodenúncia de seu fetiche e de sua transformação em mercadoria. O valor do filme está em mostrar a inversão diante da qual não há mais nenhuma chance de ética: um amigo não vale nada perto de milhões, como uma moedinha que perde seu valor diante de um cofre cheio. Amigos transformados em números não são amigos em lugar nenhum, nem na metáfora de Roberto Carlos, que serve aqui para denunciar criticamente o mundo do qual somos responsáveis junto com Mark Zuckerberg.

Nenhum comentário:

Postar um comentário