segunda-feira, 21 de março de 2011

Poesia 17: Nua

Eva Green - Dreamers


NUA

Era a noite mais escura,
E era sonho a matéria em minhas mãos.
Talvez fosse a maior escuridão já existente,
Onde só tua brancura nua
Poderia nos salvar,
Poderia nos perder.
Onde só o caminho reto apontado pelos teus peitos,
Seguia ao lugar até hoje nenhum,
De minha vida sem volta.
Cascatas de desejos antigos meus dedos tocam,
E toda uma vida de espera explode,
Em turbilhões de fragmentos e cores.
Dolentemente sussurrando brisas de prazer e dor,
Pois de tão além do narrável,
Nada se habilita a tocar,
Suas matas encrespadas, alvas
Curvas, reentrâncias
Cavidades e espaços.
Nada se habilitava, pois onde o desvairo espreita,
Numa noite desesperada,
Ouve-se um grito final.

                                                          Vancarder

Nenhum comentário:

Postar um comentário