quarta-feira, 6 de abril de 2011

Qualidade de Vida nas Cidades: mais espaço para pedestres e ciclistas


Nas grandes cidades brasileiras, em meio ao caos de engarrafamentos, poluição sonora e atmosférica, perda de tempo, stress e violência no trânsito, vêm à cabeça uma idéia simples, porque não existem políticas públicas que promovam a saúde e qualidade de vida urbana e que tenham o espaço público e o trânsito como alvos prioritários?... Em outras palavras, prioridade para pedestres e ciclistas?

Em parte porque custa dinheiro (talvez bem menos que os gastos com saúde pública e reformas de infra-estrutura para carros), em parte porque ninguém individualmente quer ceder em nada do seu "privilégio" e da liberdade de ir e vir de carro particular pra todo canto a qualquer hora, e, por último, porque nossos governos tem medo de se tornarem impopulares por tentarem fazer o que óbvio e urgente diante de tantas acidentes, mortos, feridos e degradação ambiental....
Esquecem que pode dar certo e todos ganhar com isso e ficar mais felizes em suas cidades, agora menos violentas, mais ambientalmente limpas e acolhedoras. Algumas cidades mundo afora já avançam nesse sentido. Marcaremos passo até quando?


Fonte: O Povo Online


É preciso mais espaço para pedestres e ciclistas


O pesquisador norte-americano Robert Cervero acredita que cidades saudáveis só serão construídas com o incentivo ao uso de meios de transportes ativos, como a caminhada e o andar de bicicleta

Imagine uma cidade com espaços onde o pedestre possa caminhar, sem medo de ser atropelado. Um lugar onde as pessoas deixem os carros em casa e utilizem transporte público. Um local onde o pedestre e a bicicleta sejam prioridade, na hora de pensar o planejamento urbano. De acordo com o pesquisador Robert Cervero, PhD em Arquitetura e Planejamento Urbano pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, esse modelo, chamado por ele de “cidade saudável” existe e pode ser adaptado para outros lugares.

Ontem, no último dia do Fórum de Ideias Inovadoras em Políticas Pública, realizado pelo Instituto de Estudos e Pesquisas para o Desenvolvimento do Ceará (Inesp) da Assembleia Legislativa, o pesquisador apresentou opções de mobilidade urbana, já vivenciadas em outros lugares do mundo. Um exemplo é Bogotá, capital da Colômbia, na América do Sul. Pedestres, carros e ônibus, segundo registros fotográficos apresentados por Cervero, têm espaços próprios na cidade.

A solução, segundo o pesquisador, foi planejar a cidade para que as pessoas possam andar mais a pé ou de bicicleta. “As calçadas eram tomadas por carros estacionados, que foram tirados”, exemplifica. Além disso, medidas foram colocadas em prática para evitar o uso do carro, como a restrição de automóvel em alguns horários e espaços. Em Hong Kong, na China, Cervero ilustra outro bom exemplo. No entorno das estações de metrô, parte dos terrenos não são vendidos pelo governo à iniciativa privada. Isso evita a construção de prédios, deixando o espaço livre.

“Foi dada muita atenção ao ambiente de se caminhar. Eles têm a noção de que estão planejando os espaços para pessoas e não para veículos”. Além de priorizar o pedestre e o ciclista, é preciso articular a distribuição da população e dos serviços pela cidade. Como exemplo de “densidade articulada”, o pesquisador citou Curitiba, capital do Paraná. Lá, segundo ele, a população está distribuída em vários pontos diferentes, com acesso fácil ao transporte público.


Descentralização

O outro eixo para construção da “cidade saudável” é desconcentrar os serviços, criando os “centros de multifunções”. Ele explica que, enquanto Curitiba tem diferentes bairros que unem residências, escritórios, restaurantes e escolas, Brasília prefere setorizar os serviços. “É baseada no uso do automóvel. Tem o setor dos varejistas, outro para os escritórios. Você tem que percorrer distâncias longas”. 


Com a criação de bairros, onde é possível ter todos os serviços próximos à residência, conforme Cervero, as distâncias se encurtam e as pessoas vão procurar menos o automóvel. Além disso, há outras alternativas como o transporte urbano de qualidade. “Nessas cidades bem planejadas, as pessoas têm carro. Mas não usam para qualquer percurso. Tem alternativas”. (Gabriela Meneses)

O quê


ENTENDA A NOTÍCIA

O Fórum de Ideias Inovadoras em Políticas Públicas foi realizado nos dois primeiros dias da semana na Assembleia Legislativa. Com o tema “Vida, Mobilidade e Felicidade Urbana”, os palestrantes trataram sobre trânsito, transportes, mobilidade urbana e qualidade de vida.

SAIBA MAIS 

Área verde


Em Copenhagen, na Dinamarca, Robert Cervero informou que existe uma divisão por áreas que concentram serviços. E todas essas áreas são bem articuladas entre si.


Além disso, são protegidas por áreas verdes. “Eles entendem para onde a cidade deve crescer e para onde a cidade não deve crescer”, explicou o pesquisador.


Obesidade


Durante a palestra, Cervero criticou a sociedade norte-americana, por se basear no automóvel. 


Segundo ele, nos Estados Unidos, há estudos que relacionam a obesidade ao andar de carro. “Com o carro, as pessoas caminham menos, andam menos de bicicleta”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário