domingo, 13 de maio de 2012

Das Curvas do Rio - Homenagem do blog a Elomar


Bode Orelana (Henfil). Personagem inspirado em Elomar
Homenagem do blog a obra atemporal de Elomar Figueira de Mello. Sertão, modernidade, trovadores, secas, amores perdidos na caatinga, saudade, encantamento. Tudo numa música que se localiza em algum lugar entre o agora e o passado sem limites de um tempo imemorial, armorial. Não vejo como não ouvir a música de Elomar sem associá-la a algum tipo de perda de nosso mundo, a um por do sol dolente em um horizonte inalcançável entre nuvens de nostalgia. Nessa mística entre memória, lendas e inconsciente "sertanico", suas tiranas, óperas, funções,  desafiam o ouvinte até os limites do sonho de "um amor que retirou". Pedindo licença a Guimarães Rosa, o sertão é sem fim e dentro da gente... pra sempre!
"Mas cadê meus companheiros, cadê?..."
Curtam!

Nenhum comentário:

Postar um comentário