sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Uma Foto: Lua Azul Sobre o Bessa

Então ela disse: "quero morar na Luaaaaaaa!"
Van

Apocalypse Now (Coppola - 1979) - Abertura


Um quarto de hotel, The Doors-The End, Martin Sheen, napalm, Bells UH 1, cartas, fotos, espera, ansiedade, memória, kung fu, insanidade...

Willard: Saigon... shit; I'm still only in Saigon... Every time I think I'm gonna wake up back in the jungle. 

Willard: When I was home after my first tour, it was worse. 


Willard: I'd wake up and there'd be nothing. I hardly said a word to my wife, until I said "yes" to a divorce. When I was here, I wanted to be there; when I was there, all I could think of was getting back into the jungle. I'm here a week now... waiting for a mission... getting softer. Every minute I stay in this room, I get weaker, and every minute Charlie squats in the bush, he gets stronger. Each time I looked around the walls moved in a little tighter. 

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Paulinho da Viola - Mente ao Meu Coração

Porque às vezes os amores adormecem. E saem por ai vivendo um sonho muito próprio... Ao que todos vão chamar felicidade.

Rosa Elvira Sierra - Pie Jesu - Requiem - Fauré

Tema do filme "Onde Sonham as Formigas Verdes" (Werner Herzog)

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Blade Runner - Rachael and Deckard

Rachael's Theme (Vangelis)

Fim (2006) - Miguel Torres (curta metragem)

Baseado na obra "O Estrangeiro" de Albert Camus.
E quem não se sente um estrangeiro?...
Inquietante é uma boa definição.

Tatá Aeroplano - Te Desejo, Mas Te Refuto


Sobre mudanças e lembranças (por Briggida Lourenço)



"Os espaços que ocupamos, por onde passamos ou que em algum momento pretendemos ocupar, mesmo que de forma passageira, nos deixam marcas, boas ou não, mas compõem nossa identidade...E viva ao próximo passo, viva aos velhos e novos momentos, viva a vida que passou, que vivemos e tudo o mais que ela trará. As lembranças você levará para sempre, independente de onde estará. Todos nós levaremos boas lembranças, pois, são as que valem a pena serem lembradas".

Briggida Lourenço
23/05/12


"Saudades Também"

Cartier Bresson


Acordou-se de súbito, sentou-se na beira da cama e olhou vazio para a janela. Passou as mãos pela testa, o suor escorria sobre seus olhos, ardia o sal. O calor daquela madrugada desestimulava qualquer menção a retomada do sono. Quase quatro da manhã, pensava: “era pra correr alguma brisa”. Janelas plenamente escancaradas, o ar condicionado quebrado, o ventilador parecia inútil adereço, cúmplice daquele suplício. Não conseguiu encontrar o relógio. Estirou a mão para o criado mudo e tocou o maço vazio de cigarros, só então se deu conta do fato de que ela o havia deixado há algumas horas atrás, e por obra de alguma forma de cansaço extremo, um tipo de torpor, que causara uma suspensão dos sentidos e das sinapses, conseguiu não lembrar-se por alguns instantes de algo tão grave. Voltou-se imediatamente para trás.  Fato, ela não estava mais lá, lado esquerdo da cama vazio. Espaço vazio e lençóis desarrumados, o cheiro dela ainda marcava-lhe as narinas, única presença residual naquelas fronhas. Pensou na efemeridade daquele registro: horas? Dias? Quanto tempo durará ali sua presença última, a latência de sua presença irrealizável, ida negada na impressão que sua mão ainda carregava aquele perfume de lavanda, perfume de homem, como ela gostava. Voltou o olhar para o lado da porta, tantas idas e vindas até aqui, terá sido a última vez? Seus pensamentos iam e vinham realizando loopings infinitos em formato de oito, do jeito que ela lhe explicara um dia, a forma como funcionavam os “ritornellos” da vida. Tivera medo de dizer-lhe te amo, medo que sua coragem súbita parecesse ridícula, frente ao ímpeto que tanta juventude trazia sem fazer nenhum esforço, não disse. Calou-se naquele tempo impreciso quando mais um passo teria feito toda diferença no embalo pra saltar o precipício da novidade, do incerto, do inevitável. A falta dela naquele quarto nesta madrugada era como o vazio da queda depois do salto, sentia-se voando até dar-se conta que aquele ponto verde se aproximando rápido era o próprio chão.  Conseguiu arrancar um riso envergonhado de si mesmo, lembrou-se do cachalote do Guia do Mochileiro das Galáxias, era ele em queda livre. E sem levar toalha. Buscou o celular, nenhuma chamada, nenhuma mensagem, mais vazios. Foi até a varanda. A rua também vazia lá embaixo não impacientava apenas pelo texto que gritava para si sobre as coisas que não estão mais lá, mas também do tempo que passaram dividindo aquela mesma vista, do que percebiam juntos: do céu, ao ninho de passarinho escondido nos caibros da casa vizinha. Deitou-se na rede e sem titubear enviou-lhe uma mensagem, assim, a mais rápida e mais cuidadosa, com todo o investimento de sentimentos que podia sem avançar sobre fronteiras que não dominava: “saudade de tu”. E deixou-se apagar no fundo da rede. Quando o sol lhe acordou pouco tempo depois, ao levantar-se, pisou o celular que havia sido largado no chão. Ao tomá-lo, verificou de forma displicente o visor, pois não haveria nada pra ser visto ali. Porém, enganara-se, poucos minutos depois que caíra no sono chegara a resposta dela e ele não vira: “saudades tb”... foi preparar um café, era um novo dia. Sentia-se um John Wayne dos SMS’s.

domingo, 26 de agosto de 2012

Beta Band - Dry The Rain

"This is the definition of my life
Lying in bed in the sunlight
Choking on the vitamin tablet
The doctor gave in the hope of saving me
In the hope of saving me..."


Recomendo: Dimas Lins

Pela blogosfera.
Dimas Lins: clique aqui

Alguma Notícia? (conto)




Nunca mais ninguém havia tido notícias dela.
Naquela noite iria encontrá-la. Temia ser a última vez, adiantara pra si mesmo o roteiro, não devia fazê-lo, não mais, mas fazia naquele momento o spoiler de sua própria vida. Bem, ela disse que iria ao seu encontro, não sem alguma resistência, pôde senti-la naquele cacoete que ela sempre teve em momentos de relutância. De alguma forma precisavam se ver mais uma vez, por isso interpretou o terceiro suspiro dela como parecendo ser um sim para aquela pergunta a qual ele não tinha coragem de fazer... (as reticências persistirão. Antes eram PS’s, mas isso foi há muito tempo)
Pensara por um lapso, enquanto o silêncio marcou o tempo do mundo: “melhor deixar tudo pra lá, nada mais há pra ser dito, os melhores dias se foram, o que há hoje já não diz quase nada sobre o que fomos”. Certa vez, num boteco barato perto do centro ao qual costumavam ir, ela lhe disse: “nunca entendi bem como nos encontramos, nunca fui muito de pensar nessas coisas. E hoje, nessa noite, nesse bar fuleiro, me pego pensando sobre o futuro. Não sei se gosto, futuro nunca entrou em meus pensamentos". E concluiu: “não sei se devo agradecer isso a você, provavelmente não (silêncio), pois te amo”. A angústia o tomou de assalto depois do beijo que se seguiu. Despertara um monstro de duzentas cabeças que nunca dormira no interior dela. Pensava agora como num moto continuo: “o que fiz? O que fiz? O que fiz?...”, Mas isso foi há muitos meses. essa noite, seria diferente, o futuro chegara, as coisas mudaram, o cotidiano pode ser muito cruel com os sonhos, só perde pro absurdo, em poder de desmontar felicidades.
Chegado o momento do encontro, ela, pra variar atrasada (muito). O mesmo boteco mofado, ela fez questão de que fosse lá, depois dele ter dito que tanto fazia o lugar. À porta do bar, a imagem daquela mulher linda, parada por um instante enquanto tentava localizá-lo entre as poucas pessoas que estavam lá, parecia ser a medida do frame que gostaria de levar pra sempre se o mundo tivesse que acabar ali. Vestia aquele vestido de tons verde(azul?)-piscina, com cara de domingo de sol, aquele mesmo que um dia disse-lhe toda feliz que havia comprado em um brechó que vira do ônibus outro dia. Sorriu e veio sentar-se. O sorriso veio fácil, era automático, nada parecia mudar, apesar de tudo que tanto mudara. A velha junkbox , fiel, tocava os embalos cafonas os quais ela amava. Ele, metido a seletivo (um tanto esnobe e aristocrata firme em sua crença no seu pseudotalento em escolher bem). A cerveja quase nunca estava gelada, mas mesmo assim ele sempre insistia. Ela pediu uma cachaça e limão. Sua cara. Fazia muito bem a cena de virar o primeiro trago sem fazer caretas. Ele nunca conseguira. Mas pedira uma dose também, antes da cerveja. Depois que ele fez sua tradicional careta, ela riu: “menininha”, disse.
“E então, como vão as coisas?”, ela perguntou direto, mais do que ele poderia se enganar achando que ela não o faria. “Conte-me as novidades”, completou. Ah como desejara profundamente que ela não repetisse aquela pergunta. “Ok, tudo andando”, respondeu ele sem muita convicção. E vieram as perguntas de praxe: “então como está o gato, as plantas sua casa? E sua Mãe, Dª Fulana vai bem?”. Por que ela fazia aquilo, pensava ele, o que ela fazia ali, por que com ele? Por que tão linda, sempre? Claro que o que queria ouvir nunca mais sairia da boca dela, ou não, era contraditoriamente otimista às vezes. Então disse a ele que não poderia se demorar ainda tinha outro compromisso. Ele não precisava de legendas, não mais, sabia a algum tempo do que se tratava a velha história, mas antes do final daquela dose de cana e da cerveja, tudo podia esperar ficar pra depois, pra lá, além do que não precisava ser dito ali. Seus olhares tentavam ao máximo não se cruzar, enquanto era melhor inventar qualquer assunto urgentemente para não ter que encarar o inescapável. Escaparam, o tempo passou, a cana e a cerveja se foram dos copos.
Ela levantou-se, apenas depois que a última música tocou, abraçou-o forte, “a gente se vê” disse-lhe baixinho ao ouvido naquela despedida. Nunca mais a veria. Não sabia exatamente o que havia ficado daquilo tudo, o que havia acontecido estava longe de qualquer explicação. O que deixara de ser também, por absoluta falta de parâmetros pra imaginar. Pôde virar todas as cervejas quentes naquele bar antes de voltar pra casa, vacilante, pelas ladeiras escuras do centro. O que poderia ter sido é o eco insistente das coisas que não deveriam nunca ser lembradas. Não conseguiu chegar a casa, foi visto pela última vez dormindo em banco de praça. Depois, sumiu no ar, como fumaça, quando a última Lua também desapareceu do céu.
Agora era dele de quem nunca mais teriam notícias...

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Poesia 35 - Costumava esperar meu amor



Costumava esperar meu amor ao final da aula
Até o dia em que ele não veio
Insistia em tentar ver meu amor ao sair da fábrica
Mas ela nunca mais trabalhou
Teimava em ficar em frente ao banco, pra ver se ela saia
Mas nada, a porta giratória não abria
Parei de procurar meu amor onde ele pudesse ser tomado de mim
E fui à praça
Dele nada soube dizer o vendedor de pipocas
Resolvi tentar frente ao mar
Queria ficar pra sempre sentado junto ao mar
Talvez um barco voltasse
E um barco voltou
Alguém desceu, não era meu amor
Mas disse estar com saudades
Deixou um beijo
E se foi

A sucessão infinita de ondas marcava o compasso de um tempo que só não falava mais do que aquela música, cujo nome esqueci, e que esperava ouvir ansiosamente.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Kasabian - FIRE

Pra quem vai pro Festival Planeta Terra 2012

Little Boots - Stuck and Repeat


Nos vemos no Festival Planeta Terra 2012

Wado - Frágil

"O que me tornei não sei
E o que se foi
Se foi
Não vai voltar..."

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Natacha Atlas - City of Gold

Série Cartas e Cinema (3): Central do Brasil - A Carta de Dora

Dora
O filme, Central do Brasil (Walter Salles, 1998). Dora escreve para Josué. Sua última carta, a carta que encerra uma jornada. Cartas abrem novos mundos e também cerram caminhos. Trazem todos os sim e não que podem definir um ser humano. Na última carta de Dora ela se despede também de si mesma, toda partida é um ir também de algo de si, ela tem medo. A perda de si, mesmo que de uma pequena parte, pode ser algo assustador quando a isso chama-se vida. Dora teme ser esquecida. Quem escreve cartas, também.

Trilha sonora de Antônio Pinto.



"Josué,

faz muito tempo que não mando uma carta pra alguém, agora estou mandando esta carta pra você. Você tem razão, seu pai ainda vai voltar e com certeza ele é tudo aquilo que você diz que ele é. Eu me lembro do meu pai me levando na locomotiva que ele dirigia. Ele me deixou, uma menininha, dar o apito de trem a viajem todaQuando você tiver cruzando as estradas, no seu caminhão enorme, eu espero que você lembre que fui eu a primeira pessoa a te fazer por a mão num volante. Também vai ser melhor pra você ficar aí com seus irmãos, você merece muito, muito mais do que eu tenho pra te dar. No dia que você quiser lembrar de mim, dá uma olhada no retratinho que a gente tirou junto. Eu digo isso porque tenho medo, que um dia, você também me esqueça. Tenho saudade do meu pai. Tenho saudade de tudo.

Dora"





Para ouvir mais de Antônio Pinto clique: "Ausência"

Ps: Central do Brasil: Dica de Christian Palmer.

sábado, 18 de agosto de 2012

Recomendo: A VIDA É DOCE!



http://seuchris.blogspot.com.br/

Fim de Tarde

Baia Formosa, RN (Van)
E a tarde se vai, meu peito minha alma, quebrados em centenas de pequenos pedaços ficam num a toa longe do Sol quase ausente. Criam uma questão e despedem-se ao respondê-la sem fim: E se fossemos também? Voltam e se aquietam, mesmo em polvorosa, em agonia, não há onde e ir e, mesmo se houvesse, não haveria o como. O dourado dessa tarde precisa ir sozinho...

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Série Cartas e Cinema (2): Tout Va Bien/Letter to Jane (1972)


Godard sobre uma foto jornalística de Jane Fonda no Vietnã.

"Querida Jane, 

no folheto publicitário que acompanha 'Tout va Bien', nos festivais de Cartago, Veneza, Nova Iorque e São Francisco preferimos colocar uma foto sua no Vietnã no lugar das fotos do filme. Encontramos essa foto em um número de L'Express em princípio de agosto de 72(...)

Que papel devem desempenhar os intelectuais na Revolução? A esta pergunta a foto dá uma resposta prática (a resposta dada é sua prática)(...)"



Dica de Cid Vasconcelos.

Uma foto: Dia da Vitória em Times Square

67 anos atrás. Um beijo para sempre...
Alfred Eisenstaedt  
Link para o artigo: Casal de foto histórica do fim da Segunda Guerra se revê após 67 anos

Por Thiago Barros
Para o blog TechTudo

"Um beijo para a história. O marinheiro George Mendonsa e a enfermeira Greta Zimmer Friedman ficaram eternizados em uma fotografia clicada na Avenida Times Square, em Nova York, no exato momento do fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945. A vibração do casal ficou famosa e, desde então, muita gente procurou identificar os dois, porém não obteve sucesso. Agora, 67 anos depois, a rede de televisão norte-americana CBS conseguiu achá-los e reunir a dupla em um encontro justamente naquele local..."

Carlos Drummond de Andrade - Cantiga de Enganar



O mundo não vale o mundo,
meu bem,
Eu plantei um pé-de-sono,
brotaram vinte roseiras.
Se me cortei nelas todas
e se todas se tingiram
de um vago sangue jorrado
ao capricho dos espinhos,
não foi culpa de ninguém.
O mundo,
meu bem,
não vale
a pena, e a face serena
vale a face torturada.
Há muito aprendi a rir,
de quê, de mim? ou de nada?
O mundo, valer não vale.
Tal como sombra no vale,
a vida baixa...e se sobe
algum som desse declive,
não é grito de pastor
convocando seu rebanho.
Não é flauta, não é canto
de amoroso desencanto.
Não é suspiro de grilo,
voz noturna de nascentes,
não é mãe chamando filho,
não é silvo de serpentes
esquecidas de morder
como abstratas ao luar.
Não é choro de criança
para um homem se formar.
Tampouco a respiração
de soldados e enfermos,
de meninos internados
ou de freiras em clausura.
Não são grupos submergidos
nas geleiras do entressono
e que deixem desprender-se,
menos que simples palavra,
menos que folha no outono,
a partícula sonora
que a vida contém, e a morte
contém, o mero registro
de energia concentrada.
Não é nem isto nem nada.
É som que precede a música,
sobrante dos desencontros
e dos encontros fortuitos,
dos malencontros e das
miragens que se condensam
ou que se dissolvem noutras
absurdas figurações.
O mundo não tem sentido.
O mundo e suas canções
de timbre mais comovido
estão calados, e a fala
que de uma para outra sala
ouvimos em certo instante
é silêncio que faz eco
e que volta a ser silêncio
no negrume circundante.
Silêncio: que quer dizer?
Que diz a boca do mundo?
Meu bem, o mundo é fechado,
se não for antes vazio.
O mundo é talvez: e é só.
Talvez nem seja talvez.
O mundo não vale a pena,
mas a pena não existe.
Meu bem, façamos de conta
de sofrer e de olvidar,
de lembrar e de fruir,
do escolher nossas lembranças
e revertê-las, acaso
se lembrem demais em nós.
Façamos, meu bem, de conta
- mas a conta não existe -
que é tudo como se fosse,
ou que, se fora, não era.
Meu bem, usemos palavras.
Façamos mundos: idéias.
Deixemos o mundo aos outros,
já que o querem gastar.
Meu bem, sejamos fortíssimos
- mas a força não existe -
e na mais pura mentira
do mundo que se desmente,
recortemos nossa imagem,
mais ilusória que tudo,
pois haverá maior falso
que imaginar-se alguém vivo,
como se um sonho pudesse
dar-nos o gosto do sonho?
Mas o sonho não existe.
Meu bem, assim acordados,
assim lúcidos, severos,
ou assim abandonados,
deixando-nos à deriva
levar na palma do tempo
- mas o tempo não existe -,
sejamos como se fôramos
num mundo que fosse: o Mundo.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Série Cartas e Cinema - The Thin Red Line (1998) II


Bem, se vocês se emocionaram com a resposta da esposa do soldado Jack Bell no post anterior, preparem-se para saber o que ele escreveu pra ela anteriormente.
Tudo devastador, como as guerras. Tudo fora do lugar, como nas revoluções. A paixão está no princípio e fim de tudo, a razão parece só um meio. Ninguém sabe quando chega o final, de alguma forma, para alguém, o final nunca chega, há a memória pra cuidar disso.
Da carta anterior: "Oh my friend of all those shining years. Help me leave you.”


Bell (the letter from Jack): “My dear wife.  You get something twisted out of your insides with all this blood, filth and noise.  I want to stay changeless for you.  I want to come back to you the man I was before.  How do we get to those other shores, to those blue hills?  Love.  Where does it come from?  Who lit this flame in us?  No war can put it out, conquer it.  I was a prisoner and you set me free.”

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Série Cartas e Cinema - The Thin Red Line (1998)

Pvt. Jack Bell (Ben Chaplin)
Nova Série no blog. Cartas icônicas no cinema. 
Inaugurando, uma das minhas preferidas. The Thin Red Line, direção: Terrence Malick (1998). Música: Hans Zimmer.


Marty Bell (the reply): “Dear Jack.  I’ve met an air force captain.  I want a divorce to marry him.  I know you can say no, but I’m asking you anyway, out of the memory of what we had together.  Forgive me.  It just got too lonely Jack.  We’ll meet again some day.  People who’ve been as close as we’ve been always meet again.  I have no right to speak to you this way. I can’t stop myself, the habits so strong.  Oh my friend of all those shining years.  Help me leave you.”


Duna (1984)

“Arrakis ensina a mentalidade da faca: cortar aquilo que está incompleto e dizer – Agora está completo porque termina aqui”. Frank Herbert (Duna)


Carlos Drummond - Memória

Cartier Bresson
Amar o perdido 
deixa confundido 
este coração. 

Nada pode o olvido 
contra o sem sentido 
apelo do Não. 

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis 
à palma da mão 

Mas as coisas findas 
muito mais que lindas, 
essas ficarão.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Coragem no Front Esquecido

Caminito (Van)
Segunda feira. Noite. Garganta ruim. Deveria escrever, fazer, ir. Ouço música e tento não pensar. O que vai acontecer amanhã já me basta como novidade por agora. E, sinceramente, melhor ouvir música e resistir ao tempo. Talvez lembre de uma ou duas coisas no percurso sobre ela ou sobre você, ou sobre um outro alguém do qual o nome não precisa ser dito. Talvez não pense nada pois nada há a ser feito, além de deixar que o cansaço me conduza à cama finalmente e, de lá, mais uma vez para um outro dia. Me meto em coisas que me superam, por covardia, frequentemente. Lá preciso de coragem e a encontro enquanto fujo da ideia de que um tsunami se aproxima. Antes era assim, uma ideia. Hoje é uma certeza, algo irá me atingir, antes da próxima Lua. Serei um herói de uma guerra distante e esquecida, no lado do front que não sai em nenhum jornal, nem em rede social. Meu maior feito será voltar pra casa. Estaria em segurança tomando café e falando bobagens sobre os amigos, numa varanda quente, voltada para aquela serra. Mas isso seria uma outra cidade, uma realidade paralela. Uma outra estória.

Caetano Veloso - Nature Boy

domingo, 12 de agosto de 2012

Tudo Tem Seu Tempo

Cartier Bresson

Sob pouca luz, parada à porta do quarto seu corpo adquiria um tamanho muito superior ao que tinha de fato. E que já era muito. Nesse momento ela o inquiria com os olhos sobre o seu silêncio. Suas distâncias não casavam com os olhos profundos que lhe perscrutavam a alma de cordeiro sob a pele de lobo. Ela sabia. O perigo nunca foi ele, o risco era estar ali, o risco era viver, ela ama o risco. Alguém já tinha dito, há muito em jogo quando o jogo é se entregar. Entregas dissovem lobos em cordeiros e transforma escuridões em lugares aprazíveis, e depois de tudo, tudo ao contrário. Naquela noite em particular, não queria se apaixonar, apesar de amá-lo. Queria ignorá-lo ali, daquela distância infinita enquanto não andava em sua direção. O que havia ali, o que mudara? As antigas certezas foram deixadas pra trás depois de algumas garrafas de vinho, o macht point daquele momento não tinha nada a ver com vida depois, era apenas o momento, fechar o set. Repetia pra si, o velho mantra que ensinava a ele a cada encontro: por que não? Ele não a ouvia. Tolo, não sabia ver. Ouvir pra quem relutava tanto já era luxo. Luzes off. Depois da penumbra, sob a luz que escapava das persianas fechadas, a sombra longilínea, dizia do espaço que se fora, distâncias nunca mais seriam necessárias, pois inúteis. Dobrá-lo não fora difícil, como também não o fora convencê-lo que voltaria. Ao sair disse-lhe com voz terna: tudo tem seu tempo. E fechou a porta devagar. Ela sabia algo de tempo e distâncias, disso ele tinha plena certeza. Depois de algum tempo que não conseguiu mais vê-la, dedicou-se a escrever as várias possibilidades de reconstruir com palavras os cheiros e o sabor de sua boca.

Feliz Dia dos Pais!

Sem mais...

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Franck Pourcel - Day by Day


Do disco antológico, Too Beautiful to Last. 1972...
Curtam!

Tanghetto - Mente Fragil

Boa sexta!

terça-feira, 7 de agosto de 2012

A Noite Dissolve os Homens

Espera (Van)
A noite desceu. Que noite!
Já não enxergo meus irmãos.
E nem tão pouco os rumores que outrora me perturbavam.

A noite desceu. Nas casas, nas ruas onde se combate,
nos campos desfalecidos, a noite espalhou o medo e a total incompreensão.
A noite caiu. Tremenda, sem esperança...
Os suspiros acusam a presença negra que paralisa os guerreiros.

E o amor não abre caminho na noite.
A noite é mortal, completa, sem reticências,
a noite dissolve os homens, diz que é inútil sofrer,
a noite dissolve as pátrias, apagou os almirantes cintilantes!
nas suas fardas.

A noite anoiteceu tudo... O mundo não tem remédio...
Os suicidas tinham razão.

Aurora, entretanto eu te diviso,
ainda tímida, inexperiente das luzes que vais ascender
e dos bens que repartirás com todos os homens.

Sob o úmido véu de raivas, queixas e humilhações,
adivinho-te que sobes,
vapor róseo, expulsando a treva noturna.

O triste mundo fascista se decompõe ao contato de teus dedos,
teus dedos frios, que ainda se não modelaram mas que avançam
na escuridão
como um sinal verde e peremptório.

Minha fadiga encontrará em ti o seu termo,
minha carne estremece na certeza de tua vinda.

O suor é um óleo suave, as mãos dos sobreviventes
se enlaçam,
os corpos hirtos adquirem uma fluidez, uma inocência, um perdão
simples e macio...

Havemos de amanhecer.
O mundo se tinge com as tintas da antemanhã
e o sangue que escorre é doce, de tão necessário
para colorir tuas pálidas faces, aurora.

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

No Espaço

Van Gogh -  Starry Night

Havia uma brecha no tempo naquele terraço à noite. Sob a luz intensa daquela Lua cheia, algo na rotação da terra se alterou, gravidade, tempo, magnetismo. Linhas de força a muito em vibração recôndita, se estilhaçaram frente à tamanha solicitação de algo que não podia mais ser adiado. Quando os braços daquela moça morena se acomodaram ao redor do pescoço dele também a atmosfera e todo o ar do mundo pareceram desaparecer. Enquanto ele delicadamente afagava seus cabelos, sentia que a luzes da cidade ao longe, se dissolviam em borrões amarelos, não precisava mais enxergar. Via demais naquele momento de olhos tão cerrados. Via pelo cheiro dela, olhava através do toque suave de suas mãos, vislumbrava pelo retorno firme ao contorno de músculos, ancas, quadris que se queriam ali, apenas serem consumidos por um abraço sem fim. E se beijaram. Permaneceram assim num só contínuo, na noite a qual  tudo saiu de órbita e pareceu apontar uma razão para estar, mesmo sem entender, mesmo sem pensar em amanhã, mesmo que o som de sua respiração ofegante dissesse que, nada mais importava, além de ir-se naquele suspiro profundo onde suas bocas procuravam desesperadamente achar tempo onde nem ar existia. Queriam encontrar mesmo o quê? Antes do fim da noite se foram. Alguém apostou que voltariam ali um dia. O Universo perderia novamente seus azimutes e se acharia. E outro alguém, que soube disso já como lenda, muito tempo depois, garantiu que havia apenas eles ali e que se acharam. De algum apartamento nas redondezas aquela música tocava novamente, Let It Be... Sempre ela, desde sempre.

sábado, 4 de agosto de 2012

Cat Power - Sea of Love

Era dado a vaticínios. Num sábado de sol, logo ali perto da hora do almoço, lembrou do sorriso dela. O mar, o mar, pensou! Ela, seu sorriso e o mar. Sorriu. E disse mais uma vez pra si: caso com a primeira mulher que amar Cat Power! Sabia a força que isso tinha. Sabia que se metia numa fria, sabia que gostava de aventuras, sabia que não recuaria. Não mais. Poetas não recuam, são feitos de fios finíssimos de coisas que se enrolam nos sonhos, se misturam com a realidade e viram textos que ninguém lê. Só pra te apurrinhar, só pra te convencer, só pra não esquecer. Só por só. Só pra te ver feliz do jeito que gosto de ver. Mesmo de longe, mesmo de onde já não dá pra ver, mesmo do lugar onde você fica mais bonita do que tudo que possa ter existido.

Assim

Como sei lembrar de você.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Patrick Süskind - A Pomba (trecho final)

São Jorge Contra o Dragão - Xilogravura (Museu do Ceará). SALVE, JORGE!

"Ainda não conseguia enxergar até o fim do corredor, o claro e ofuscante bloco de luz junto à janela cortava-lhe a visão. Seguiu adiante, intrépido de uma certa maneira, atravessou a luz, chegou atrás das sombras. O corredor estava totalmente vazio. A pomba desaparecera. As nódoas haviam sido esfregadas. Nenhuma peninha, nenhuma penugenzinha mais tremendo em cima do ladrilho vermelho".
...

Ira - Envelheço na Cidade

Dia de aniversário!
Sem mais...

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Air - Heaven's Light


"You're so fine
Take my hand
Put me on the top of the world..."