sexta-feira, 1 de março de 2013

Wood Allen Pode Esperar



Acordou de ressaca em pleno meio da semana. Caminhou cambaleante até o banheiro e fixou-se em sua própria imagem no espelho, com pouco gosto, diga-se de passagem. Alguns urgentes goles d’água da torneira e o esforço seguinte de apertar a pasta na escova de dente. Pensou em quanto deveria estar péssimo, pois, por dentro, sentia-se a própria soma de todas as promessas de melhoras de si mesmo quebradas – pra toda a eternidade.
 
Manhã alta já. Artista em crise criativa de si mesmo tentava elaborar com muito esforço um roteiro mínimo dos eventos ocorridos na noite, madrugada, começo de manhã passados. As pistas do que havia ocorrido estavam espalhadas em sua cabeça assim como pelos lados no quarto, via agora, sandálias, uma meia calça, calcinha – tipo shortinho, por sinal, um indicativo de originalidade em meio a um mundo de fios dentais sem identidade -, e, finalmente, ela, sobre a cama!

A desorientação cedeu instantaneamente a uma recuperação de flashes e recortes de falas, movimentos, gestos e... sons. A novata do setor jurídico! Dormia ainda da forma que bem lhe cabia, esparramada feito uma gata mesmo que era, a cama mal lhe cabia. Parecia muito bem, dormia como se estivesse em casa.

“Nossa, aquelas caipiroskas e o papo sobre Wood Allen ontem à noite...”. “Ela não gosta de Wood Allen!!! Não pode estar certo”.

Nesse momento, ela começou a se mexer e fazer menção de acordar. Ele voltou correndo para a junto da gata manhosa estirada na cama. Wood Allen fica pra hora do café mais tarde. 

Bem mais tarde.

Um comentário:

  1. As doses de bebida na cabeça, o esforço para reconstruir a cena, a boca seca, o estômago vazio, mas a cama cheia.

    Amor casual, sexo casual, vida casual. Ela não gosta de Wood Allen? Bem, olhando o lado da cama tão bem preenchido, certamente a resposta vem com outra pergunta: E daí?

    Dimas

    ResponderExcluir