terça-feira, 27 de agosto de 2013

E Pegou a Estrada

"Compartment C, Car 293" (1938), Edward Hopper

Hoje ela queria sair dali, assim, de súbito. Ir, escafeder-se, melhor, teletransportar-se. Revirar a realidade por suas dobras sobre si mesma, ver por dentro das coisas invisíveis, experimentar um pouco do impossível, sentir a calma do olho da tormenta, dormir um sonho inesquecível. 

Ela queria apenas partir. Pra onde a levaria o coelho branco não interessava. Chegara a hora, ela o seguiria. Como não tinha rumo, escrevia em sua mente roteiros como melodias: suas melhores bandas, suas músicas secretas, um som que ainda estava por conhecer, aquele, que em segredo lhe fazia arrepiar a nuca, no mesmo instante em que voltava à realidade. 

Transgredir-se-ia sem pensar, a partir de hoje a vida não careceria de descanso, o Mundo seria seu pouso.

sábado, 24 de agosto de 2013

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Wye Oak - Civilian

"I don't need another friend
When most of them
I can barely keep up with them
Perfectly able to hold my own hand,
But I still can't kiss my own neck"


domingo, 18 de agosto de 2013

The Black Keys - Tighten Up

"I wanted love, I needed love
Most of all, most of all
Someone said true love was dead
And I'm bound to fall
Bound to fall for you
Oh what can I do?"

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Série Cartas e Cinema (5): About Schmidt (2002) - Ndugu's Letter

"Confissões de Schmidt" (2002)
Momento comovente de um filme sobre o curso da vida e o envelhecimento inevitável ("se tiver sorte", dirá a maioria).
Direção de Alexander Payne.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Distrações de Aniversário


Era semana de aniversário que passava, e era urgente, a necessidade de comemorar. Foram-se tantos sobressaltos, uma pressa não sentida correu com os dias, devorou toda a vontade, se apossou do hoje. Chegara o dia de aniversário, ela não acordara. Não, ainda não tão cedo. Não sabia dos amigos nem de nada mais, embalada ficou, dormiu mais, pois era dia de aniversário, nesse dia não haveria pressa. Nesse dia se perderia do tempo e se acharia longe de qualquer euforia, não perderia energias pelejando por nada, muito pelo contrário, haveria um tipo de conforto, de satisfação diferente, não haveria nada pra esperar. Tomaria uma ou algumas cervejas geladas na varanda, molharia sua planta, conversaria com as formigas. Soltaria o relógio apenas quando o dia acabasse para que o fim só chegasse quando ela estivesse novamente distraída.