sábado, 28 de maio de 2016

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Uma Infinita Tristeza IV



Fora Temer!

Peguei aqui: Escreva Lola Escreva

Uma Infinita Tristeza III


Lula abraça Dilma no Palácio do Planalto.



O Golpe de Estado no Brasil está consumado.
Mais uma vez as velhas oligarquias, elites fundiárias, rentistas, setores reacionários tomam o poder de assalto.

Vergonhosamente o Brasil assume seu papel de vira-latas da política, piada internacional. "Republica de Bananas", mais do que conveniente diante do vergonhosa falência de nossas instituições, que deveriam zelar pela Constituição e pela Democracia.

Os que hoje celebram o Golpe, como em 1964, ou estão investidos de ma-fé, o que é cruel pelo cinismo. Ou então, alienados, o que não é menos imperdoável. 

As classes menos favorecidas, os pobres e trabalhadores sentirão na pele logo mais a pior parte do resultado nefasto de todo o conluio neoliberal em curso.

Os EUA reconhecem o Golpe, claro, lucrará muito com a manobra da plutocracia tupiniquim que subtraiu 54 milhões de votos.

A Democracia no Brasil demorará muitos anos para tornar a se reerguer.

Oxalá, esteja errado.

Ao povo, restará a luta pela reconstrução de um projeto de nação autônoma, popular, solidária, justa, tolerante, igualitária e próspera. 

Às ruas!
Fora Temer!

Eleições Diretas já!

Fascistas, não passarão.

Manu Chao - Para Todos Todo (EZLN)

Uma Infinita Tristeza II
Mais um dia na longa noite dos 500 anos.

O Golpe foi dado. 
Haverá luta!

"Hermanos,
nosotros nacimos de la noche
en ella vivimos
y moriremos en ella
pero la luz será mañana para los más,
para todos aquellos que hoy lloran la noche,
para quienes se niega el día.
Para todos la luz,
para todos todo" (EZLN).


quarta-feira, 11 de maio de 2016

terça-feira, 10 de maio de 2016

A Farsa do Impeachment da Presidente Dilma Rousseff Vai Virar Tragédia?


Bob Fernandes da TV Gazeta comenta a respeito do golpe jurídico/legislativo/mediático em curso no Brasil: 
"Começou como farsa, segue como comédia e circo. Que não termine em tragédia".

segunda-feira, 9 de maio de 2016

domingo, 8 de maio de 2016

Keith Mansfield - Exclusive Blend (1969)




Uma Carta que Não Foi (conto)



Parei esse dia para te escrever uma carta, uma dessas em não cabe falar de amor. Tenho estado parado todos esses dias, justo porque teu amor me faltou. Olhar insistentemente para o telefone não é solução. Escrever, muito menos.

Ainda não sei se a enviarei, se terminá-la talvez não sobreviva ao meu próximo suspiro, ou ao engasgo de uma fala que meus amigos já não aguentam mais ouvir. Nem eu.

Não sei se teu cheiro, a lembrança de minhas mãos entre tuas pernas, ou das janelas do carro embaçadas numa rua qualquer onde nada parecia fazer mais sentido do que a entrega desesperada dos lados escondidos de nossos corpos. Tudo que me faz as mãos suarem enquanto escrevo.

Já vai muito tempo desde então. Nesse tempo quis te colocar num conto e você queria me ver sumir.

Enfim, ambos escapamos, que triste. Só para continuar a viver. Entrar na fila do próximo filme. Ter mais uma resenha para começar a escrever e nunca terminar.

Nesta carta que ainda não sei se te entregarei, gostaria mesmo de não ter que escrever nada. Apenas desenhar tuas pernas abertas como vi pela primeira vez, mas num arranjo no qual pudesse expor a mágica dos teus pelos, e dos tons e cheiros que nunca me deixaram.

Não sei desenhar tão bem, nem minha memória anda tão boa.

Essa carta não seguirá.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

A Canção (conto)

Robert Doisneau, Le Muguet du Métro, 1953
Fim de tarde e seu ônibus parou em um sinal no retorno do trabalho. Pela janela viu um casal jovem, enamorado, sentados abraçados num banco de praça. 

Pensou numa canção que falava da paixão e seus riscos: encontros, desencontros e perdas. A mesma que cantarolou muito tempo atrás, depois que um grande relacionamento seu tinha acabado. Ela o fez em um momento quase sem intenção, como uma música de fundo que só ela podia reconhecer, para um amante fugaz, assim também, em um banco de praça. 

Se lembrava que este reconheceu a música de pronto e completou o verso, que na verdade, falava unicamente dela. 

Terminaram ainda naquela semana. Não houve nenhum sobressalto. Guardou esse momento para si, como também essa canção. 

Nunca mais a cantou para ninguém.

domingo, 1 de maio de 2016

terça-feira, 12 de abril de 2016